Política do Espírito Santo

Audifax tenta esconder o seu provável candidato apresentando um não candidato, ou seja, Nylton Rodrigues!

O prefeito da Serra de bobo só tem a cara. A voz fina do prefeito não o impediu de incorporar o vitimismo mais medonho e elevar tal vitimismo à condição de categoria política. No Brasil do Lula não seria impossível surgir a Serra do Audifax.

Sobre o referido cidadão alguns textos já foram escritos neste Blog. Basta pesquisar.

Ele não poderá ser candidato mais em 2020. Mas como alguém que fez da política uma profissão, deverá apoiar alguém. É provável que Audifax ainda nem saiba quem será seu verdadeiro candidato. No entanto, ele precisa lançar aqueles balões de ensaio que antecedem as festas juninas em ano anterior à eleição.

Um dos balões de ensaio é o ex-secretário de Segurança Pública Nylton Rodrigues. Percebe-se que o agora (e novamente) Secretário de Defesa Social já conta com a simpatia do colunismo de fofocas do ex-jornal A GAZETA. Hoje mesmo um certo Leonel Ximenes faz menção ao ex-comandante da PMES. Sei.

Audifax pode não ser um bom prefeito. Pelo menos segundo os meus parâmetros de boa governança. Audifax pode não ser um político que tenha clareza do que seja gratidão. Audifax pode ser a reinvenção do populismo mais rastaquera. Audifax pode ser qualquer coisa. Menos doido. Audifax já foi um poste e adquiriu luz própria. Mas jamais tomaria para si o desgaste alheio.

Nylton Rodrigues comandou mais de 10 mil policiais militares. Cada um dos seus ex-comandados tem suas impressões. Há quem fale  que o senhor Nylton Rodrigues não consegue reunir num ato de apoio à sua candidatura a prefeito da Serra nem 40 militares da ativa. Isso é o efetivo de um pelotão.

Tratando-se de alguém que comandou a PMES, talvez seja a pessoa que sai com o mais baixo capital político da história da PMES.

Apenas Nylton Rodrigues deve achar que Audifax está falando sério!

 

1 Comment

  1. Wanderson

    Esse texto do senhor merece nota 1000, muito bom Maurício.

Leave a Reply