Segurança Pública

A PMES e o renascimento do ânimo!

Não houve aumento de salário para PMES, mesmo esta tendo o pior salário do Brasil. Não houve nenhuma garantia da parte do novo governo de que haverá. Também não há nenhuma pesquisa que garanta que aumento de salário descolado de outras condicionalidades possa melhorar performance profissional.  Isso é delírio corporativo.

Cabe então a pergunta: por que a PMES demonstra agora esforços adicionais no cumprimento de sua missão?

Não é resposta simples. Mas há indicativos. 

O governo Casagrande deu uma demonstração rara de coragem política numa era em que a covardia se tornou quase regra. Ao bancar o preço do desgaste político e defender a anistia dos militares (sobre a qual este observador escreveu AQUI) o governo pede um voto de confiança aos militares, deixando nas entrelinhas que oportunamente questões salarias serão abordadas.

A confiança está restabelecida, e com ela o pleno respeito à hierarquia e à disciplina. Militares e servidores público em geral devem entender que limites legais devem ser respeitados no trato de tudo, inclusive de questões salariais. 

Qualquer observador desapaixonado constata que o ambiente entre os policiais já é outro. A percepção se confirma pelo aumento expressivo do número de apreensões e prisões de criminosos em todo o estado. Nesse particular, a 14ª Cia Ind (Serra) vai se destacando.

Policiais da referida Companhia fizeram a apreensão de um verdadeiro arsenal na tarde de ontem (24 de janeiro), no Bairro Feu Rosa.  Numa única ocorrência, os policiais apreenderam, entre outros: 03 armas cal 12, 01 sub metralhadora Calibre 380, 02 tabletes de maconha, 36 pedras de crack, 02 balanças de precisão e um rádio comunicador. 

Merecem destaque os policiais diretamente envolvidos na apreensão:

RP 4087 (Cb Berti e Sd Máximo), RP 4221 (Cb Bruno e Sd Fernandes); Força Tática 4264 (Sgt Amantino, Sd Borghi, Sd De Freitas) Força Tática 4265 (Sgt De Queiroz, Cb Fabiana, Sd Galon).

Curiosamente, nesse mesmo dia pela manhã o novo secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, Roberto Sá, havia feito uma visita de reconhecimento à 14ª Cia Ind. Quem ouviu a fala do secretário não teve dúvidas. O novo secretário tratou a todos com notável educação, ouviu respeitosamente os pleitos dos policiais e comandantes. Em nenhum momento foi identificado qualquer sinal daquela arrogância que até recentemente era marca de uma cúpula que julgava ser eterna. Sim. Nada como o tempo. Ele, o tempo, segue sendo o senhor da razão!

Sim. Até recentemente policiais militares eram tratados pejorativamente como “peças”-  este observador escreveu a respeito AQUI.

As peças voltaram a ser tratadas como homens e mulheres. Os resultados já falam por si.

Por fim, o menor salário do Brasil nunca fez a PMES desertar de suas responsabilidades constitucionais. Nem pode fazer. Quem não aguentar a transição deve pedir pra sair. Mas há uma obviedade indiscutível: Salário é indispensável, mas respeito é tudo!

O novo secretário começa bem. E que assim permaneça! 

 

 

 

 

 

 

1 Comment

  1. Edvandro Costa

    Belo texto.

Leave a Reply